Meu casamento

Meu casamento

domingo, 14 de agosto de 2011

Leitura e interpretação (descritores) 6º ano

BILHETE AO SENHOR GRILO

Senhor Grilo, por favor,
Interrompa a cantoria.
Não sei como nem por quê,
Não me deixa adormecer
Com seu cricri noite e dia.
Se quiser, meu senhor Grilo,
Vá cantar pra sua tia.
Fonte: Sérgio Caparelli. 111 poemas para crianças. Porto Alegre, LP&M, 2003.


1-No bilhete ao senhor Grilo é pedido que ele:
(A)cante noite e dia.
(B)interrompa a cantoria.
(C)adormeça a vizinhança.
(D)convide sua tia para cantar.


2-O último verso do poema “Vá cantar pra sua tia.” revela que quem escreve o bilhete está
(A)irritado.
(B)agradecido.
(C)emocionado.
(D)desconfiado.

OLÍVIA PIRULITO


[...] Eu, Olívia Pirulito, estou com um grave problema: minha melhor amiga, a Eneida, que estuda na mesma classe, faz as lições junto comigo, passa alguns fins de semana na minha casa, ou eu na dela, me liga todos os dias, mesmo que seja pra dizer que não tem o que dizer, pois bem, a Eneida resolveu pajear um aluno novo que veio de outra escola para a nossa classe. Empresta os cadernos pro Vicente, apresenta os colegas pro Vicente, aos poucos, porque diz que ele é muito tímido, se oferece pra estudar com o Vicente as matérias em que ele tem mais dificuldades, e até lanche ela já dividiu com ele!
Com isso, acabou se afastando de mim. [...]
Fonte: Cristina Porto. In Olívia Pirulito. São Paulo, FTD, 1996.


3-O narrador do texto é
(A)Eneida.
(B)Vicente.
(C)Olívia Pirulito.
(D)um colega de Vicente.

TEXTO 1

Vende-se uma casa encantada
No topo da mais alta montanha.
Tem dois amplos salões
Onde você poderá oferecer banquetes
Para os duendes e anões
Que moram na floresta ao lado.

Roseana Murray. ClassificadosPoéticos. Belo Horizonte, Miguilim, 1990.

TEXTO 2


VENDE-SE CASA REALENGO
R$ 19.750
Ótima casa (laje), varanda, quarto, sala, cozinha, banheiro, pequeno quintal, podendo ampliar.
Junto condução/comércio.
Tratar Tel.: 3904-1409. Cr.: 04833.
Extra, agosto de 2009.


4-Na comparação dos textos acima, concluímos que o texto 1
(A)é um classificado de jornal; o 2 é um classificado poético.
(B)é estruturado em forma de versos; o 2 apresenta alinguagem objetiva.
(C)anuncia uma casa real; o 2 anuncia uma casa imaginária.
(D)enumera os cômodos de uma casa; o 2 descreve o quarto da casa.

O Menino Maluquinho

Ziraldo


A pipa que
o menino maluquinho soltava
era a mais maluca de todas
rabeava lá no céu
rodopiava adoidado
caía de ponta-cabeça
dava tranco e cabeçada
e sua linha cortava
mais que o afiado cerol.


5- O texto acima é:
(A)uma propaganda.
(B)uma notícia.
(C)uma receita.
(D)uma história.


6-O contrário de “sua linha cortava” é:
(A)sua linha unia.
(B)sua linha cantava.
(C)sua linha embaralhava.
(D)sua linha grossa.


7-No trecho “A pipa que o menino maluquinho soltava...”, a ação traz a ideia de:
(A)passado.
(B)presente.
(C)futuro.
(D)noite.

L


O L é uma letra louca
Transforma a nota Mi em 1000
E faz a uva nadar de luva,
Cabra descobrir o Brasil.
In: PAES, José Paulo e FARICAS, Kiko. Uma letra puxa a outra São Paulo: Companhia das Letrinhas, 1992.


8-No texto acima, o L transforma a nota musical em:
(A)data.
(B)letra.
(C)número.
(D)século.


9-A palavra “Cabra” só vai descobrir o Brasil se a letra L vier:
(A)antes dela.
(B)antes e depois dela.
(C)no final dela.
(D)no meio dela.

As árvores e o machado


Havia uma vez um machado que não tinha cabo. As árvores resolveram que uma delas lhe daria a madeira para fazer um cabo.
Um lenhador, encontrando o machado de cabo novo, começou a derrubar a mata.
Uma árvore disse a outra:
– Nós mesmas é que temos culpa do que está acontecendo.
Se não tivéssemos dado um cabo ao machado, estaríamos agora livres dele.

ROCHA, Ruth. Fábulas de Esopo. São Paulo, FTD, 2006.


10-A frase que expressa uma opinião é:
(A)“Havia uma vez um machado que não tinha cabo.”
(B)´“um lenhador, (...) começou a derrubar a mata.”
(C)“Nós mesmas é que temos culpa do que está acontecendo.”
(D)“...uma delas lhe daria a madeira para fazer um cabo.”



Nenhum comentário:

Postar um comentário